quarta-feira, 7 de março de 2007

LITERATURA - Joana D'arc - De olho no simulado

LITERATURA - Joana D'arc

Conteúdo do Simulado - Dia 17 de Março

-Figuras de linguagem – capítulos 4, 5 e 6

-Intertextualidade é a relação entre dois textos caracterizada por um citar o outro.
Intertextualidade estrutural: Consiste em modelos de estrutura preexistentes para a produção de testos. Ex: receita, gibi.
Intertextualidade temática: Consiste na abordagem de um mesmo assunto.
Intertextualidade referencial: Consiste na citação de outros textos ou alusão a eles.

-Gêneros Literários – pág 77
Poesia

- O Gênero Épico: Narrações de fatos grandiosos, centrados na figura de um herói. Segundo Aristóteles, a palavra narrada.
- O Gênero Dramático: Textos destinados para a representação cênica, ora na forma de tragédia, ora na forma de comédia. Segundo Aristóteles, a palavra representada.
- O Gênero Lírico: Textos de caráter emocional, centrados na subjetividade dos sentimentos da alma. Segundo Aristóteles, a palavra cantada.

Características do estilo épico
· Poema narrativo em terceira pessoa
· Narração objetiva
· Apresenta as seguintes partes: Introdução, Invocação Narração, Epílogo.

Características do estilo dramático
· Atores apresentam um acontecimento
· Texto em forma de diálogos, dividido em atos e cenas.
· Descrição do ambiente/situação antes de cada ato.
· Seqüência da ação dramática constituída de exposição, conflito, complicação, clímax, desfecho.

Tragédia
- De caráter sério, solene
- Tema: o protagonista tem de enfrentar a desgraça.
- Registro formal
- Início feliz. Desfecho fatal.
- Personagens que imitam as debilidades humanas.

Comédia
- De caráter cômico, ridículo.
- Tema: sátira da sociedade e dos defeitos humanos.
- Registro coloquial.
- Início complicado. Final feliz.
- Personagens humanos que sofrem nas mãos dos deuses e do Destino.

-Periodização da literatura brasileira – pág 160
Painel Histórico-Literário Brasileiro

Era Colonial (de 1500 a 1808)
- Quinhentismo: Conjunto de textos que evidenciam a condição brasileira de terra nova a ser conquistada
- Barroco: Desenvolve-se na Bahia, tendo como pano de fundo a economia açucareira
- Arcadismo: O pano de fundo é a economia baseada no extrativismo de minerais. Os autores estão intimamente ligados ao movimento da Inconfidência Mineira.

Período de Transição
Chegada da Missão Artística Francesa contratada por D. João

Era Nacional (de 1836 até nossos dias)
- Romantismo:Primeira escola literária com traços genuinamente nacionais. Início: “Suspiros Poéticos e saudades”, de Gonçalves de Magalhães.
- Realismo: Envolve três tendências distintas: romance realista, romance naturalista e poesia parnasiana
- Simbolismo: Início com a publicação de Missal e Broquéis, de Cruz e Souza.
- Modernismo: Tem início com a Semana de Arte Moderna em S.P. que constituiu o grande divisor de águas da literatura brasileira.
- Pós-Modernismo: Tem início com o fim da 2ª Guerra Mundial. Busca novas formas de expressão tanto na poesia como na prosa.

- Obra: Triste fim de Policarpo Quaresma - Lima Barreto

Este romance é a sua obra-prima. Verdadeira epopéia cômico-trágica de um "Dom Quixote" nacional, conta à história do major Policarpo Quaresma, um patriota ardoroso e ingênuo, que leva ao extremo o seu fanatismo nacionalista....Inicia por uma tentativa de REFORMA CULTURAL, dedicando-se a infrutíferas pesquisas folclóricas e chegando até mesmo a propor a adoção do tupi-guarani como língua oficial do Brasil. Devido ao exagero de suas esquisitices nacionalistas, é internado como louco num hospício.
...Quando sai de lá, resolve fazer uma REFORMA AGRÍCOLA. Compra um sítio para pôr em prática a sua teoria de que as terras brasileiras eram as mais férteis do mundo, capazes de saciar a fome nacional. Maior do que a luta contra os elementos da natureza, é o seu confronto com as deficiências administrativas, os impostos, a burocracia, a politicagem...
...Sua derradeira tentativa é a REFORMA POLÍTICA: adere ao "governo forte" de Floriano, em quem vê o "salvador da pátria". Mas, com a "Revolta da Armada", fica indignado contra a violência do tratamento dado aos derrotados. Escreve uma carta-protesto. Considerado, por isso, um traidor, Quaresma é preso e condenado à morte. Enquanto aguarda sua execução, Quaresma faz uma lúcida autocrítica de seu nacionalismo ingênuo, compreendendo a distância que havia entre seus ideais patrióticos e a realidade mesquinha de sua época.




Obs: A matéria está bastante resumida. Quem tiver dúvidas é só ler as páginas que a professora marcou. Quanto às figuras de liguagem, estudar a apostila que ela entregou. Bem, é isso!

5 comentários:

Diogo disse...

Valeu Lídia!!!!!!!!!!
Isso vai ajudar demais da conta, bem.

edu furbino disse...

é isso aheuaheuahue

Paulinho disse...

Valeu Lídia!!!!!!!!!!
muito obrigdo mesmo viu tva perdidinho da silva
bjin pra vc!!!!!!!!

Anônimo disse...

mas o q vcs nao sabem é que ela copiou e colou td da net... Da uma olhadinha no google que vcs acharao tudo.......

Anônimo disse...

é verdade ela copiou de um site no google ......